domingo, 4 de agosto de 2013

Imigração: não precisa ter medo

Para viajar pra Europa não precisa pedir visto. Porém, ao desembarcar, você deverá passar pela imigração, onde será entrevistado por um oficial.
O legal é que a permissão de entrada que o primeiro país te dá vale pra toda União Européia, com exceção do Reino Unido e Irlanda.
Estamos falando do Acordo de Schengen onde são pactuantes também a Suíça, Noruega e Islândia.
Então, quando você viaja de um país pra outro, é como se fosse voo doméstico e não desembarca na ala internacional, passando longe da imigração.
Como Reino Unido e Irlanda não são pactuantes do Acordo, eles fazem a própria entrevista quando você vai pra lá, independente se está chegando de algum país da União Europeia ou de qualquer outro lugar do mundo.
Você só precisa mostrar que não está indo lá pra ficar ilegalmente.
Se você não souber falar o idioma deles, não tem problema, pode pedir um tradutor ou até mesmo uma pessoa do seu voo que saiba falar.

Dicas para passar com tranquilidade, levar impressos:
- passagem de volta pro Brasil
- passagens de um país pro outro, provando que você está a passeio
- reservas dos hotéis ou albergues
- roteiro

É bom você saber os nomes das atrações que vai visitar, pois pode ser que perguntem o que você quer ver.
Tem gente que fala que é bom levar documento do carro, da casa, certidão de casamento, extrato de conta, carteira de trabalho e comprovante de recebimento de salário, enfim tudo que possa comprovar que você tem motivos pra voltar pro Brasil e não ficar lá ilegalmente.
Não pediram nada disso pra gente. 

Parentes podem passar juntos no guichê de imigração.

Estávamos nos borrando de medo da imigração. Entramos na Europa por Roma e foi super tranquilo. O cara só perguntou o que a gente ia fazer na Itália, começamos a falar que era férias e os nomes das cidades que íamos visitar e ele interrompeu fazendo sinal positivo, perguntou quando íamos voltar pro Brasil e ainda tirou sarro perguntando o que que a gente tava fazendo fora do Brasil em pleno domingo de Carnaval. Foi super brother e recomendou ir ao Carnaval de Veneza na terça-feira. Não pediu documento algum, mas viu que a gente tava cheio de papel na mão pronto pra apresentar.

Quando fomos de Barcelona pra Londres a imigração foi mais minuciosa, mas tudo dentro da tranquilidade.
Tire da cabeça aquela imagem de que os oficias são trogloditas e prontos pra te barrar. Se você tem passagem de volta e reservas, não há o que temer, Quem não deve não teme.
O tiozão foi bem educado. Perguntou se era de Barcelona que estávamos vindo e quando íamos voltar pro Brasil. Pegou a ficha que preenchemos pra passar na imigração e perguntou se aquilo que estava no papel era um albergue. Perguntou se estávamos de férias, quantos dias íamos ficar em Londres e pra onde iríamos depois. Falamos que íamos pra Paris, perguntou se já tínhamos passagem e pediu pra ver. Tudo com muita educação, usando "please" e "thank you".
Depois de mostrarmos a passagem ele desejou boas-vindas a Londres, perguntou se já sabíamos como chegar ao centro da cidade e nos explicou com toda paciência onde pegar o Easy Bus.

Fomos de Londres a Paris pelo trem Eurostar (2ª classe, hehehe). E na própria estação de trem em Londres, antes de entrar na sala de embarque já fizemos a imigração francesa, pois estávamos entrando novamente no espaço Schengen. O cara nem olhava direito pras pessoas, só pegava o passaporte e carimbava.

De Praga para Berlim fomos de trem e os dois paises estão no espaço Schengen, não precisando fazer imigração na Alemanha. Mas, quando o trem atravessou a fronteira, os oficiais alemães entraram no trem e pediram pra ver os passaportes, para se certificar que todos estavam com carimbo permitindo transitar pela Europa.

Ah, se você tem dupla nacionalidade, que nem uns amigos meus que têm passaporte italiano, ao chegar nos aeroportos é só ir direto no guichê para cidadãos europeus. Sem fila e sem entrevista.